terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

A PM DO CONHECIMENTO

A Polícia Militar precisa passar urgentemente por uma transformação estrutural, e só o conhecimento é capaz de empreendê-la. A corporação precisa reconhecer que hoje o principal ativo das grandes organizações é o conhecimento, não havendo mais espaço para a promoção por antiguidade.
 
Urge implementar forte processo de Educação Corporativa na PM, reformulando o modelo atual, baseado ainda na ‘decoreba’, quando o aluno estuda para passar e, depois de um mês, já esqueceu tudo. Há que se impulsionar o uso contínuo da instrução, bem como a utilização massificada do e-learning e até mesmo do mobile e-learning. Não há mais como ter oficiais sem a devida capacidade para planejar, organizar, liderar e controlar, tampouco praças sem o mínimo de conhecimento técnico-profissional.
 
Basta de promoções por antiguidade, que não incentivam o PM a estudar e a se qualificar. A sociedade clama por profissionais mais bem preparados para servir e proteger, e a educação corporativa é essencial nesse processo.
 
Deve-se reformular a legislação para que a corporação tenha uma só forma de ingresso e que todos tenham a mesma oportunidade de chegar ao posto máximo, desde que exclusivamente pelo mérito — não no sentido de fidelidade ao chefe, mas da contínua e persistente qualificação, só sendo promovidos mediante concursos internos. Valorizam-se, assim, os mais capacitados e os mais comprometidos.
 
O modelo atual de promoções na PM está com os dias contados. Aquele profissional que fica anos parado, sem estudar, apenas esperando subir de posto, ficará no passado, abrindo-se espaços para todos aqueles que não têm receio de disputar uma vaga, com quem quer que seja.
 
O policial militar que emergirá dessa reforma será aquele que se dedica constantemente ao aprimoramento profissional, isto é, ao verdadeiro PM da sociedade do conhecimento.
 
Artigo publicado no jornal O Dia
 

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

ESTADO ISLÂMICO DEGOLA 21 MÁRTIRES CRISTÃOS

O grupo Estado Islâmico divulgou um vídeo mostrando a decapitação de 21 cristãos egípcios que foram sequestrados na Líbia. Na gravação, os civis egípcios aparecem vestindo macacões cor de laranja à frente dos terroristas mascarados antes de serem executados. Os reféns são forçados a se ajoelhar e então são decapitados. O vídeo foi divulgado em perfis de jihadistas líbios que apoiam o Estado Islâmico nas redes sociais, com a seguinte legenda: "o povo da cruz, os seguidores da igreja egípcia hostil".

ASSISTA AO VÍDEO ALUSIVO AO ASSUNTO: http://youtu.be/6vYJZoQ7vcE?list=UUt9piT7PVrebqsyD2aIIddA
 
 
 
 
 CLIQUE NA IMAGEM PARA LER

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

PASTORES RESPONDEM PROCESSO POR PREGAREM O EVANGELHO

Temos alertado aos Cristãos sobre a Lei 7716/89 que impede de pregar o Evangelho genuíno, conforme o vídeo abaixo. Em seguida transcrevemos uma matéria do jornal O Globo que deixa clara a perseguição que se inicia no Brasil contra os Cristãos verdadeiros, com base na Lei da Mordaça Cristã.




BRASÍLIA - O Núcleo de Enfrentamento à Discriminação do Ministério Público do Distrito Federal intimou para depor, nesta sexta-feira, dois palestrantes que ministram um curso para líderes espirituais com ensinamentos sobre a “cura gay”. O curso, que dura uma semana e se encerra nesta sexta-feira, se chama “Homossexualismo: ajudando, biblicamente, a prevenir e tratar aqueles que desejam voltar ao padrão de Deus para sua sexualidade”. Os autores da palestra intimados são Claudemiro Soares, especialista em políticas públicas, e o teólogo Airton Williams
Claudemiro já foi homossexual, não é mais, e relata sua experiência no livro ”“Homossexualidade masculina: escolha ou destino? A atração pelo mesmo sexo e as abordagens terapêuticas para a mudança de orientação sexual”. O livro, segundo ele, é um compilado científico sobre o tema.
 
A intimação se deu na noite de quinta-feira. Claudemiro contou ao jornal O GLOBO que ele e seu colega ficaram surpresos com a notificação e atribuiu a denúncia aos militantes gays “sociopatas”. Para ele, existe uma “máfia LGBT”.
 
— É o uso do aparelho do Estado a favor desses ativistas gays sociopatas — disse Claudemiro Soares, que não sabia que o curso se encerrava hoje: — Se não me mandarem para a Papuda antes! — disse o palestrante.
 
O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) citou a realização do curso nas suas redes sociais e anunciou que faria uma denúncia ao Ministério Público. O parlamentar classificou o curso como um charlatanismo de fundamentalistas religiosos.
  
“Por convicções puramente religiosas, esses charlatões se consideram no direito não só de ir contra os direitos humanos de milhões de cidadãos e cidadãs brasileiras, mas também de desconstruir um ponto pacífico entre toda uma comunidade científica: nem a homossexualidade, nem a heterossexualidade e nem a bissexualidade são doenças, e sim uma forma natural de desenvolvimento sexual. A confusão que há na sociedade em relação a uma possível ‘cura gay’ — incitada por esse fundamentalismo religioso — é preocupante e precisa ser esclarecida antes que a saúde física e psíquica de mais jovens seja afetada”, disse Jean Wyllys em uma rede social.
 
A pastora Damares Alves, ligada aos palestrantes, divulgou uma mensagem entre parlamentares e pastores criticando a ação do Ministério Público e também o deputado.
 
“Pasmem, senhores, o Ministério Público foi no local e interrompeu o curso. Olhem o tamanho o poder do deputado Jean Wyllys. Conseguiu interromper um curso fechado para líderes evangélicos. Isso é só o começo. Temos que dar uma resposta à altura a esse episódio”, propôs a pastora Damares.

O GLOBO

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

ENTEADO DE PEZÃO É NOMEADO SUBPREFEITO POR EDUARDO PAES

O advogado Roberto Horta Jardim Salles, enteado de Luiz Fernando Pezão, foi nomeado para um cargo na Prefeitura do Rio de Janeiro pelo prefeito Eduardo Paes. O filho de criação do governador carioca também é ligado ao PMDB, assim como Pezão e o prefeito que assinou a nomeação. Filiado ao partido desde 2011, o advogado de 33 anos passará a receber cerca de R$ 10 mil por mês para assumir uma das recém-criadas subprefeituras na zona norte do Rio. As informações foram divulgadas na edição desta terça-feira (20) do jornal Folha de S.Paulo. Ainda segundo o jornal, o filho da primeira-dama do Estado, Maria Cautieiro Horta Jardim, chama Pezão de pai, e foi criado pelo governador desde a adolescência.

domingo, 4 de janeiro de 2015

DEPUTADO E PASTOR MARCO FELICIANO FALA SOBRE A LEI 7716/89

Pode parecer absurdo que em momentos que nosso País desfruta da mais duradoura democracia de nossa história, com total liberdade de manifestação, registremos casos de flagrante perseguição religiosa, totalmente na contramão do aprimoramento das instituições com respeito a todas correntes de pensamentos.
 
Quanto à Igreja como Instituição, relembrando Palavras de Jesus “Esta é a minha Igreja e o inferno não prevalecerá sobre Ela”, estou tranquilo, mas Ele deixou implícito quando ressuscitou Lázaro que o que compete ao homem devemos fazer, portanto lutemos para denunciar e reprimir esses abusos, que deturpam a interpretação da lei para manifestar esse nefando comportamento em relação aos Cristãos Evangélicos.
 
Vamos aos fatos: o Pastor Melquisedec Nascimento, também Capitão da Policia Militar do Estado do Rio de Janeiro, está sendo processado pela Justiça Federal do Rio de Janeiro porque teria infringido a Lei 7716/89 que trata de preconceitos, entre outros, o religioso, por ter afirmado a um Cidadão que professa a fé Muçulmana, “só há um caminho para a salvação Jesus Cristo”, o qual disse “Eu sou o caminho, a verdade e a vida, ninguém vem ao Pai senão por mim”, e que um muçulmano não pode participar de qualquer movimento brasileiro Cristão, seja político ou religioso, salvo se aceitar a fé Cristã, ora, qual religião que aceitaria em seu meio alguém, sem antes verificar se realmente esse pretendente entendeu os fundamentos da nova religião que pretende abraçar e que esteja disposto a abandonar antigos dogmas? Sem que isso possa em sã consciência configurar nenhum tipo de preconceito, e sim apenas diferentes ponto de vista Teológico, só isso.
 
Também eu, por postar nas mídias sociais um ensinamento bíblico que trata das abominações me expressei quanto aos sentimentos homoafetivos que podem levar ao ódio ao crime e a rejeição, sem, no entanto, incitar ninguém a isso o que não seria o papel de um Pastor, o ex Procurador Geral da República Dr. Roberto Gurgel propôs processo contra mim também com fulcro na Lei 7716/89 no seu art. 20 que não prevê preconceito contra a orientação sexual, mas o Douto Procurador justifica alegando que o termo da lei que diz preconceito engloba qualquer tipo de preconceito, o que cria sérios precedentes, pois, se alguém disser nesses mesmos termos algo sobre algum esporte de contato como as lutas “vale tudo” estarão cometendo crime depreconceito na visão daquela Autoridade.
 
Em tempos passados os estudiosos do Direito se debruçavam sobre o texto da Lei à procura de algo nas entrelinhas, entre outras particularidades, o chamado “Mens Legislatore”, ou seja, o que pensaria o legislador no momento em que elaborava seu labor, hoje pela dinâmica das comunicações e o uso do linguajar coloquial essa ciência caiu em desuso e a interpretação da Lei se faz de forma literal, e como já disse pinçar apenas uma palavra no caso “preconceito” e aplicar de forma genérica a meu ver, salvo melhor juízo, trata-se de um flagrante abuso de autoridade, por parte de quem é imbuído da Sagrada Missão de Guardião da Lei .
 
Vou apresentar um Projeto de Lei para corrigir o art 20 da Lei 7716/89, para deixar bem claro o texto que o legislador aprovou, com os tipos de preconceitos amparados e impedindo que seja usado o termo, preconceito, de forma genérica e aleatória. Com isso intimidando na clara tentativa de impedir a livre manifestação e interpretação da Palavra de Deus ministrada nos Púlpitos de nossa Pátria, com a Espada de Dãmocles pairando sob um tênue fio sobre nossas cabeças, pois a Bíblia é eivada de ensinamentos que preservam a Família, a Nação e, sobretudo a fé conservando a essência Divina com a qual nós seres humanos fomos agraciados pelo Próprio Deus.
 
Finalizo pedindo que todos brasileiros se unam numa só voz em oração para que não venhamos a assistir o que vem ocorrendo em outras partes do Mundo, com a intolerância religiosa por partes de grupos que tentam de todas as formas descristianizar o mundo tornando-o alvo fácil de dominações totalitárias, e que Deus derrame sobre todos as mais especiais bênçãos dos céus
 
MARCO FELICIANO
PASTOR E DEPUTADO FEDERAL

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

O FORO DE SÃO PAULO E A SEGURANÇA PÚBLICA

Fundado em 1990 pelo Ex-Presidente Lula e por Fidel Castro, o Foro de São Paulo é uma organização que reúne partidos e outras entidades da América-latina e Caribe, de cunho ideológico de esquerda, apoiando-se mutuamente, cuja finalidade é a implementação do Socialismo na região, como uma espécie de compensação, devido à perda do Leste Europeu ocorrida com a queda do Muro de Berlim em 1989, quando aquelas nações sob a influência da Ex-URSS, abandonaram o comunismo.
 
O Foro de São Paulo não evidencia um projeto de tomada do poder mediante o Marxismo-leninismo, isto é, mediante uma revolução armada, entretanto para um observador mais atento, pode-se constatar um projeto de poder em marcha na América-latina baseado nos ensinos de Antônio Gramsci, filósofo Italiano, falecido em 1937, cuja estratégia para a tomado do poder em países com democracias e economias relativamente consolidadas e estáveis não poderia se dar pela força, mas de forma gradual, respeitando-se a Constituição e as leis, manipulando-se as consciências, massificando a sociedade com propagandas subliminares, criando-se uma "mentalidade uniforme", fazendo com que a sociedade acreditasse que certas medidas são corretas e justas, reduzindo assim, ao máximo, qualquer resistência ao projeto de tomada de poder e a implementação do Socialismo.
 
Segundo Gramsci, as ideias e diretrizes seriam indicadas pelo intelectual coletivo, no caso os partidos de esquerda, e disseminadas pelos chamados intelectuais orgânicos, ou seja, os formadores de opinião, tais como professores universitários e jornalistas, com o escopo dessas ideias chegarem às massas em geral, conduzindo assim a sociedade a pensar de forma uniforme, impondo-se o chamado "politicamente correto", atuando sistematicamente para enfraquecer a todos os reais opositores, razão pela qual assistimos quotidianamente os discursos de ódio a tudo o que é militar, seja a Polícia ou as Forças Armadas, bem como a implementação do desarmamento da população, o apoio ao Aborto, ao Movimento Gay e a caracterização pejorativa de que a Direita é "coisa de torturador, reacionário, racistas e contrários ao povo".
 
Quando se vê na primeira página dos jornais e revistas, na mídia em geral, manchetes incentivando o movimento gay, atacando a Polícia Militar e as Forças Armadas, de forma "uniforme", em todos os meios de comunicação, saiba que isso não é mero acaso, mas são ações fundamentadas nas doutrinas de Antônio Gramsci, tendo como principal cortina de fumaça a defesa dos direitos humanos, cujo Plano Nacional de Direitos Humanos brasileiro não surgiu por acaso no Foro de São Paulo, portanto aqueles que estão preocupados com a grave questão da segurança pública no Brasil e na América-Latina, devem saber que há em marcha um projeto de tomada de poder na região para a implementação do socialismo, extinguindo-se em seguida o cristianismo bíblico, as liberdades civis, políticas e econômicas.
 
MELQUISEDEC NASCIMENTO - CAP PM

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

A GERAÇÃO Y NA PM

O que se denomina Geração Y é a nascida após 1980. É caracterizada pela familiaridade e pelo uso intensivo de dispositivos móveis de comunicação em tempo real. A Polícia Militar é composta de pessoas extraídas da sociedade; por conseguinte, seria pura inocência julgar que muitas das atitudes relacionadas à Geração Y não ocorreriam dentro da corporação, razão pela qual muitas vezes vemos nas redes sociais atos não condizentes com o militarismo, vindo muitos desses jovens policiais a ser responsabilizados disciplinarmente por feitos que eles julgam normais. Porém, a PM considera inapropriados aos membros da corporação.

A Geração Y é hoje referência para as gerações anteriores por dominar os aparatos tecnológicos. Fora da Polícia Militar, tal admiração acaba por criar uma certa expectativa de que toda pessoa da Geração Y seria capaz de ter uma ideia genial e se tornar milionária, conforme ocorreu com Mark Zuckerberg, fundador do Facebook. Entretanto, na Polícia Militar ainda há uma forte reação à Geração Y, caracterizada por um conservadorismo em relação a se permitir maior liberdade de criação e de inovação a esses jovens integrantes. Na PM, a prioridade é o respeito aos dois fundamentos basilares do militarismo: A hierarquia e a disciplina, o que sufoca a capacidade de inovação dos policiais da Geração Y. 

Pesquisa realizada pela Cia de Talentos, agência de recrutamento, em parceria com a Nextview People, empresa de pesquisas em gestão e desenvolvimento de pessoas, aponta que ter um negócio próprio já faz parte dos sonhos de 56% dos brasileiros jovens, e 51% deles pretendem empreender em até seis anos. Ora, diante desses números, vemos com preocupação o fato de que um jovem da Geração Y que ingressa na Polícia Militar como soldado deve esperar seis anos para ser promovido a cabo, haja vista que a PM privilegia a promoção por antiguidade, e não por mérito, o que demonstra um conflito de expectativas. Esperar, ou seja, ficar parado para receber uma promoção não é um atributo da Geração Y, muito menos esperar todo esse tempo para ascender apenas à graduação de cabo.

MELQUISEDEC NASCIMENTO - CAP PM

ARTIGO PUBLICADO NO JORNAL O DIA

A VIOLÊNCIA E O ESVAZIAMENTO DOS ESTÁDIOS DE FUTEBOL

Uma recente pesquisa do IBOPE/LANCE! revelou que 90% dos brasileiros não costumam frequentar os estádios de futebol. Trata-se de um número estarrecedor, haja vista o Brasil ser considerado o País do futebol. Inúmeros motivos foram elencadas pelos entrevistados para não frequentarem os estádios, entre os quais a violência(34,5%), a distância(27%) e o preço dos ingressos(17%).

A pesquisa também revelou que o costume de ir aos estádios de futebol é mais comum entre os que têm renda familiar acima de 10 salários mínimos, enquanto que os torcedores com renda familiar entre 2 e 5 salários mínimos, são os que menos frequentam os estádios, apesar de todo o trabalho de incentivo ao programa sócio-torcedor, cuja finalidade é conceder descontos em torno de 50% nos preços dos ingressos, aos torcedores que se comprometam a pagar R$ 30, em média, de mensalidade ao seu clube de coração, portanto é patente que os altíssimos preços dos ingressos estão fora da realidade do poder aquisitivo dos brasileiros, cabendo aos envolvidos no processo de gestão esportiva rever a atual política de preços.

Em relação à distância como motivo para afastar o torcedor dos estádios, podemos concluir que não é a distância em si, mas o transporte, na verdade, a locomoção que é o principal problema. Há que se buscar soluções para melhorar o transporte não só o público, no caso, os ônibus, mas também os de massa nos dias de jogos, incentivando assim o torcedor a utilizar o metrô e os trens, estes sim transportes de massa, sendo necessário um verdadeiro choque de gestão da qualidade nesses serviços, a fim de estimular o seu uso nos dias de jogos.

Finalizando, há que se tomar medidas contundentes para prover efetiva segurança aos torcedores nos estádios de futebol, pois a violência é o principal fator de esvaziamento dos estádios, conforme revelou a supracitada pesquisa, cabendo, portanto, às autoridades da área de segurança pública, em conjunto com os gestores do futebol buscarem soluções para trazer de volta a sensação de segurança aos torcedores, aumentando assim a presença do público nos estádios, pois ter apenas 10% da população frequentando os estádios, desautoriza o Brasil ser considerado o país do futebol.

MELQUISEDEC NASCIMENTO - CAP PM

ARTIGO PUBLICADO NO JORNAL O DIA