terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Cabral participa de formatura de novos oficiais da PM


A Polícia Militar vai ganhar em 2009 mais 133 oficiais, entre eles oito mulheres. Nesta segunda-feira, o governador Sérgio Cabral presidiu a cerimônia de entrega das espadas aos novos aspirantes-a-oficial da PM, da Turma Coronel Manuel Elísio dos Santos Filho, que concluíram o curso de formação de oficiais, com duração de três anos, ministrado pela Academia de Polícia Militar D. João VI, em Sulacap, Zona Oeste do Rio.


Em cerimônia realizada no pátio da escola, Cabral entregou a espada ao primeiro colocado, Rafael Couto Patrício, que obteve a nota final de 9,15. Pela colocação, Rafael ganhou como prêmio a promoção imediata a segundo tenente, condição que os demais aspirantes só terão em agosto do ano que vem, depois de avaliados pelo comando da corporação a que estiver servindo.
O secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, entregou a espada para o segundo colocado, Ângelo Roberto Citatino Júnior, com a nota 9,05, e o comandante-geral da PM, coronel Gílson Pitta, para o terceiro lugar, Leandro Santos, que obteve a nota final de 8,95. Os demais receberam a espada de seus respectivos padrinhos e madrinhas, por determinação do comandante da Academia, coronel Roberto Rocha Bastos.


Na mesma solenidade, em que também se comemorou os 88 anos de criação da academia da PM, Cabral e a empresária Gisella MacLaren, dona dos Estaleiros MacLaren, lançaram simbolicamente a pedra fundamental da Policlínica Militar dos Afonsos, que será construída na Fazenda dos Afonsos, para atendimento a policiais militares e a seus familiares.


Antes, a direção da Academia de Polícia Militar D. João VI entregou a Medalha do Mérito General-de-Brigada José da Silva Pessoa para 60 personalidades civis e militares que, direta ou indiretamente, contribuíram na formação dos futuros oficiais da PM do Estado do Rio, como preconiza o decreto que criou a comenda em outubro de 2006. Cabral, o vice-governador e secretário de Obras, Luiz Fernando Pezão, e o presidente da Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), deputado Jorge Picciani, foram os primeiros a receber a medalha, entregue, respectivamente, pelo secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, pelo comandante-geral da PM, coronel Gilson Pitta, e pelo chefe do Estado-Maior da PM, coronel Antônio Carlos Suarez David.


Em seguida, os seis entregaram as medalhas aos demais agraciados, entre eles os secretários estaduais chefe da Casa Civil, Regis Fichtner, e de Educação, Tereza Porto, e aos representeantes dos secretários estaduais de Governo, Wilson Carlos de Carvalho, de Planejamento e Gestão, Sérgio Ruy Barbosa, de Fazenda, Joaquim Levy, e de Saúde e Defesa Civil, Sérgio Côrtes, ao chefe da Polícia Civil, delegado Gilberto Ribeiro, ao deputado federal Adílson Soares, ao representante do prefeito eleito do Rio, Eduardo Paes, além de a Gisella MacLaren, a desembargadores e a policiais militares e civis.


– Podem ter certeza de que, enquanto eu e o Pezão estivermos à frente do governo do estado, os critérios que norteiam as promoções, o alcance a cada momento da hierarquia da Polícia Militar serão dos seus superiores, mesmo que avaliações sejam sujeitas a falhas, pois erros são próprios de seres humanos, mas totalmente sem nenhuma influência para além da PM e da Secretaria de Segurança Púbica, sob o comando deste bravo companheiro José Mariano Beltrame. Não chega ao Palácio Guanabara nem a nenhuma outra instituição a influência nos critérios de promoções para policiais militares e civis e para bombeiros. Sirvam com denodo, com amor ao próximo, com visão de cidadania e de garantia de ordem pública aos cidadãos do nosso estado – recomendou Cabral.


O Curso de Formação de Oficiais tem disciplinas voltadas para as áreas profissional e fundamental, como Direito Penal, Direito Constitucional, Direito Administrativo, Direito da Criança e do Adolescente, Psicologia, Criminologia, Sociologia, Comunicação Social, Ética, Ciência Polícia e Direitos Humanos. O ingresso na Academia se dá através de concurso público pelo vestibular da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj).


Também estiveram presentes o secretário de Administração Penitenciária, César Rubens Monteiro, os deputados estaduais Paulo Ramos e Wagner Montes, além de parentes e amigos dos cadetes. A Academia de Polícia Militar D. João VI fica localizada na Avenida Marechal Fontenelle 2.906.

8 comentários:

Anônimo disse...

A POLÍCIA MILITAR DO RJ NECESSITA DE MUDANÇAS

É preciso acabar com o Decreto 22.169/96, que desmotiva demais os policiais militares (sargentos concursados)!

O CBMERJ, se compadecendo desse problema, foi à luta e conseguiu através do Decreto nº. 39.109/06 corrigir a injustiça nas promoções de praças (lá, os Sargentos "de curso" são promovidos em apenas quatro anos).

É justo dentro do mesmo Estado os praças concursados do CBMERJ e PMERJ terem promoções diferenciadas?
SÓ A PMERJ ESTÁ SENDO NIVELADA POR BAIXO! E isto só ocorre no Estado do Rio de Janeiro...

Anônimo disse...

TEMOS QUE VALORIZAR O SER HUMANO QUE VESTE A FARDA (OS BONS PROFISSIONAIS)

Incentivo ao estudo: a sociedade precisa de uma nova PMERJ, os bons Policiais Militares tem que ser valorizados!

É um absurdo os Sargentos "de curso" (CFS) ficarem mais de 6 (seis) anos na mesma graduação, sendo ultrapassados pelos "jurunas" (PMs acomodados)!

Anônimo disse...

PMERJ ganha 133 novos Oficiais...

Com os piores salários do Brasil!

Aqui, no RJ, a carreira militar está desvalorizadíssima.

Anônimo disse...

O circo chegou na cidade?

Isso tudo é um circo, e o dono do circo é o palhaço, por isso no picadeiro você só vê palhaçada!

Anônimo disse...

Que Polícia é essa?
Que Estado é esse??
Que Governo é esse?

A Polícia que não cumpre a Lei só poderia dar medalhas para quem manipula as Leis, é uma troca de favores.

Anônimo disse...

Quando vai haver um Governo sério que coloque homens de verdade para comandar essa Polícia decadente, fraca, desmotivada, escurraçada, e por aí vai...?

Anônimo disse...

O ESTRESSE NO COTIDIANO DOS POLICIAIS MILITARES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

O Policial Militar, no exercício da profissão, desenvolve atividades estressantes, que podem comprometer a sua saúde mental e física. Segundo o Instituto Nacional de Segurança e Higiene do Trabalho – Ministério do Trabalho e Assuntos Sociais (1997), mencionado por Medina (2000,p.4), o conceito de estresse no trabalho é “A RESPOSTA FISIOLÓGICA, PSICOLÓGICA E DE COMPORTAMENTO DE UM INDIVÍDUO QUE TENTA ADAPTAR-SE E AJUSTAR-SE A PRESSÕES INTERNAS E EXTERNAS”. Ele aparece quando se apresenta um desajuste entre a pessoa, o posto de trabalho e a própria organização. UM DOS PRINCIPAIS FATORES DE ESTRESSE VIVENCIADOS PELOS POLICIAIS MILITARES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO É O SALÁRIO, CONSIDERADO INJUSTO. A profissão não é reconhecida a contento pela clientela assistida e pelos superiores. A violência urbana cresce a cada dia, devido à desvalorização do serviço policial militar. Como conseqüência desta sobrecarga de estresse vivida pelos Policiais Militares durante as jornadas de trabalho, surgem os primeiros sintomas deste estresse excessivo. O cansaço é o principal sintoma inicial, decorrente do grande estresse vivenciado. Outros sintomas mais citados foram o DESÂNIMO, esquecimento, dores no corpo e insônia. A falta de sono é conseqüência de uma longa e conturbada jornada de trabalho e de outras atividades que os policiais procuram ter para COMPLEMENTAREM SUA RENDA, a qual consideram BAIXA. Com isso nota-se que o DESGASTE FÍSICO, conseqüente da agitação presenciada no trabalho, é acompanhado do DESGASTE MENTAL. Esses fatores acumulados durante anos de serviço, poderão trazer CONSEQÜÊNCIAS CRÔNICAS para este grupo de profissional em seus aspectos fisiológicos, psicológicos e sociais.

Anônimo disse...

Boa sorte aos aspirantes!

Que ao dividirem as trincheiras conosco, não nos vejam como inimigos!

Não fomos recrutados entre bandidos.

Somos homens e mulheres que trabalham pelo próximo, desejando a todos o que desejamos para nós mesmos; segurança!

Estamos do mesmo lado nessa guerra.